---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?

ADMINISTRAÇÃO
Coronel Freitas está entre as melhores gestões fiscais do Brasil

Publicado em 08/11/2019 às 09:41 - Atualizado em 08/11/2019 às 10:08

 

Coronel Freitas é o 13° melhor município catarinense a administrar as contas públicas e o 47° melhor do Brasil. É o que aponta o respeitado Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF), realizado anualmente pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Divulgado na última semana, o estudo tem como base os dados oficiais do ano de 2018 de 5.337 municípios brasileiros analisados, os quais concentram 97,8% da população brasileira.

O estudo é composto por quatro indicadores: autonomia; gastos com pessoal; liquidez; e investimentos. O desempenho em cada indicador gera uma pontuação geral responsável por classificar o município em uma das quatro condições: Excelência (0,8 a 1,0 pontos); Boa Gestão (0,6 a 0,8 pontos); Dificuldade (0,4 a 0,6 pontos); e Crítica (0,0 pontos a 0,4 pontos). 

Com uma pontuação geral em 0,8980 pontos, Coronel Freitas tem uma gestão das contas públicas considerada em nível de Excelência. Para se ter uma ideia do ótimo resultado que este índice apresenta, o estudo da Firjan apontou que 74% dos municípios brasileiros têm gestão fiscal difícil ou crítica; e que 35% não se sustentam, já que a receita gerada localmente não é suficiente nem mesmo para custear a estrutura administrativa da prefeitura e Câmara de Vereadores.


 

A pontuação de Coronel Freitas apresentou uma melhora a partir de 2017. Interessante observar que a melhora ocorreu em um momento de perda de cerca de R$ 2,5 milhões ao ano de receita, em função da queda de repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

 

Para o prefeito de Coronel Freitas, Izeu Tozetto, os resultados do estudo da Firjan foi recebido com muita comemoração pela Administração Municipal, e deve ser dividido com todos os servidores, o setor produtivo e a população em geral que torna o município pujante. Segundo ele, o modelo de gestão adotado em Coronel Freitas a partir de 2017 busca a implantação de políticas de desenvolvimento econômico e social aliado à responsabilidade fiscal. “Adotamos uma gestão competente, eficiente e responsável em todos os processos, com um trabalho permanente de planejamento estratégico e operacional das ações, programas e das contas públicas, pois entendemos que uma das principais atribuições do gestor público e fazer com responsabilidade, cuidando com seriedade daquilo que é mais sagrado, que é o dinheiro público”, destaca.

 

Coronel atinge pontuação máxima em Autonomia e Investimentos

 

 

Autonomia:

Quase 35% das prefeituras brasileiras não se sustentam, já que a receita gerada localmente não é suficiente nem mesmo para custear a estrutura administrativa da prefeitura e Câmara de Vereadores. É o que aponta o indicador Autonomia do Índice Firjan, que analisa as receitas e os custos da máquina administrativa local. No caso de Coronel Freitas, este indicador atingiu a pontuação máxima (1,0) ficando em primeiro lugar no estado e no país.

 

Investimentos:

Quase metade (47%) dos municípios brasileiros investiram em 2018 apenas 3% da sua receita, ou seja, têm dificuldade de planejar e preparar seu município para o futuro, o que impacta negativamente no bem-estar da população e no ambiente de negócios. Com investimentos em várias frentes de atuação, Coronel Freitas destacou-se nesta área, também com nota máxima (1,0), ficando em primeiro lugar no estado e no país. Chama atenção o salto nos investimentos a partir de 2017.


 

Liquidez quase atinge pontuação máxima

O indicador que avalia a relação entre o total de restos a pagar no ano e os recursos em caixa disponíveis para cobri-los no ano seguinte, aponta que 21% das prefeituras terminaram 2018 sem recursos em caixa para cobrir as despesas adiadas para 2019. Neste indicador, Coronel Freitas quase atingiu nota máxima (0,9774), ficando na 46° posição em Santa Catarina, e na 719° no Brasil.

 

Gastos com pessoal é o principal desafio, mas é considerada Boa Gestão

Este indicador analisa quanto os municípios gastam com pagamento de pessoal em relação ao total da Receita Corrente Líquida. A conclusão é que 49,4% dos municípios brasileiros estão em situação crítica, pois gastam mais de 54% da receita com pessoal. Para Coronel Freitas, é o pior dentre os quatro indicadores do estudo da Firjan. Com 0,6145 pontos, o município ficou na 119° colocação estadual, e na 1534° no país. Tudo isso devido à queda no FPM, pois o município teve seu índice reduzido de 0,8 para 0,6.